2/29/24

Negativa de atendimento urgente pelo plano de saúde, o que fazer?

O plano de saúde é um serviço contratado pelos consumidores com o objetivo de garantir o acesso à saúde de qualidade, no entanto, muitas vezes, ocorrem negativas de cobertura de procedimentos médicos.
Plano de Saúde
Dra. Larissa Trovão
Imagem representativa de carregando
8
min

Essa situação gera um grande problema para o consumidor, que pode se sentir desamparado em relação aos seus direitos.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ), tem uma posição consolidada no sentido de que as cláusulas restritivas de cobertura devem ser interpretadas de forma restritiva, prevalecendo sempre o direito do consumidor à saúde. Nesse sentido, podemos citar o julgado do Recurso Especial nº 1.360.969/SP, que afirmou que:

“(…) é abusiva a negativa de cobertura de tratamento médico indicado pelo profissional de saúde, sob o fundamento de que o procedimento prescrito não está previsto no rol de cobertura obrigatória da ANS ou de que não há previsão contratual expressa. A imposição dessas limitações é ilegítima, pois restringe o acesso do consumidor à saúde e viola os princípios da boa-fé, da transparência, da equidade e da vedação ao enriquecimento sem causa”.

No entanto, contratar um plano de saúde nem sempre é o suficiente para resolver o problema.

Isso porque em inúmeras ocasiões as operadoras estão negando cobertura aos procedimentos solicitados pelos beneficiários.

Ainda, o artigo 35-C da Lei 9.656/98 diz que é obrigatória a cobertura do atendimento em casos de urgência ou emergência.

A súmula 597 do STJ (Superior Tribunal de Justiça) também determina o atendimento do plano:

A cláusula contratual de plano de saúde que prevê carência para utilização dos serviços de assistência médica nas situações de emergência ou de urgência é considerada abusiva se ultrapassado o prazo máximo de 24 horas contado da data da contratação.

Vejamos o entendimento do Tribunal de Justiça do Mato Grosso que condenou o plano de saúde a ressarcir o valor gasto com o procedimento cirúrgico e indenização por danos morais em razão da negativa em realizar uma cirurgia de emergência:

APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER – PLANO DE SAÚDE – NEGATIVA DE COBERTURA DE PROCEDIMENTO CIRÚRGICO – RECUSA INJUSTIFICADA E INJUSTA – REEMBOLSO DE DESPESAS MÉDICAS – DANO MORAL IN RE IPSA – VALOR INDENIZATÓRIO FIXADO EM PATAMAR RAZOÁVEL – OBSERVÂNCIA ÀS CIRCUNSTÂNCIAS DA CAUSA E ATENDEDIMENTO À FINALIDADE RESSARCITÓRIA E PUNITIVA – SENTENÇA MANTIDA – RECURSO DESPROVIDO. 1. O reembolso das despesas efetuadas pelo beneficiário com assistência à saúde deve ser permitido quando não for possível a utilização dos serviços próprios, contratados, credenciados ou referenciados pelas operadoras, sendo as hipóteses de urgência e emergência exemplos dessa segurança contratual dada aos consumidores. 2. A recusa injustificada e indevida pela operadora de plano de saúde em autorizar a cobertura financeira de procedimento cirúrgico, em caráter de urgência, enseja a caracteriza de dano moral in re ipsa por agravar a situação de aflição psicológica e de angústia no espírito do beneficiário.

(TJ-MT 10073621520218110003 MT, Relator: JOAO FERREIRA FILHO, Data de Julgamento: 09/08/2022, Primeira Câmara de Direito Privado, Data de Publicação: 17/08/2022)

A legislação brasileira também garante o direito do consumidor à saúde e protege os usuários de planos de saúde. A Lei nº 9.656/98, que regulamenta os planos de saúde, estabelece que as operadoras devem garantir a cobertura de todos os procedimentos médicos necessários à manutenção da saúde do beneficiário, sem restrições ou limitações abusivas.

Segue quais providências o consumidor pode tomar em caso de negativa de cobertura de procedimentos pelo plano de saúde.

1. Reclamação na ANS: o consumidor pode registrar uma reclamação na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador dos planos de saúde. A ANS possui canais de atendimento online e telefônico para receber reclamações e orientar os consumidores sobre seus direitos. A ANS pode realizar a mediação entre o consumidor e a operadora de planos de saúde, buscando uma solução para o caso.

2. Se houver negativa na cobertura da internação, exija que o plano envie as razões por escrito (por e-mail ou pelo aplicativo). É direito do beneficiário ter acesso a esta informação, conforme Resolução Normativa 395/15 da ANS.

3. Depois que o atendimento for prestado, tire foto ou peça cópia de todos os documentos relacionados ao atendimento, especialmente do prontuário, do relatório médico do paciente e da conta hospitalar.

4. Com esses documentos, entre em contato com a operadora de plano de saúde e peça novamente o pagamento das despesas, através da ouvidoria.

5. Caso haja a negativa de cobertura o consumidor pode entrar com uma ação judicial para garantir o acesso ao procedimento médico necessário.

Conquanto, se o plano se recusar a realizar o custeio do tratamento, é possível entrar com uma ação na Justiça para obter justa indenização pelos danos morais e materiais sofridos.

Author(a)
Dra. Larissa Trovão
Clique aqui para ser redirecionadoClique aqui para ser redirecionado
Eu sou Larissa Trovão, especialista em casos de negativa de atendimento urgente por planos de saúde. Luto pelos direitos dos pacientes para garantir que recebam o atendimento médico necessário sem atrasos ou complicações injustas das seguradoras.
E-book gratuito
Como guardar dinheiro
Fazer downloadImagem representativa de dinheiro

Mais conteúdos

9.9.24
Demissão

DEMISSÃO POR JUSTA CAUSA É UMA VIA DE MÃO DUPLA

Quando falamos em demissão por justa causa, logo vem à mente as faltas graves que, quando cometidas pelo empregado podem ocasionar a extinção do contrato de trabalho, tais como desídia, improbidade, mau procedimento e outras hipóteses previstas no artigo 482 da CLT.
Dr. Alexsandro Vilela
Imagem representativa de carregando
14
min
4.27.24
Pensão Alimentícia

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE A PENSÃO ALIMENTÍCIA

Existem muitas dúvidas acerca da pensão alimentícia, por isso, nesse artigo iremos esclarecer as principais delas. Primeiramente, deve-se destacar que a pensão alimentícia não se refere apenas aos alimentos.
Dra. Laryssa Maria
Imagem representativa de carregando
13
min
7.15.24
Violência Doméstica

É POSSÍVEL A VÍTIMA DE VIOLENCIA DOMÉSTICA RETIRAR A QUEIXA CONTRA O COMPANHEIRO AGRESSOR?

Corriqueiramente surgem clientes que perguntam: Quanto é Doutor para retirar a “queixa” contra meu marido/companheiro (agressor)? A resposta não é tão simples assim!
Dr. Pablo Alexsander Rodrigues
Imagem representativa de carregando
10
min